Plano de negócios e planejamento: O grande aliado do empreendedor

11/12/2016

A palavra da vez é crise. Mesmo ela existindo de fato, seja financeira ou política, o que realmente assusta é que ela se tornou resposta clichê para a maioria dos empreendedores que não estão indo bem nos negócios ou que precisaram fechar as portas. A grande questão é: E as empresas que estão se mantendo no azul ou dando lucro, mesmo com o mercado de incerteza. Qual o segredo?

Segundo a Global Entrepreneurship Monitor (GEM), em parceria com o SEBRAE, o Brasil é primeiro país no ranking de empreendedorismo (dados de 2015), superando Estados Unidos e China. Os dados deste ano indicavam que três em cada 10 adultos possuem seu próprio negócio, indicando um aumento de 11,5% em 10 anos. Fica claro que a crise financeira no país contribuiu para o crescimento do empreendedorismo por necessidade.

Outro dado que o SEBRAE nos traz em 2015 é que a cada 100 novas empresas abertas no Brasil, 24 fecham em menos de três anos. O principal motivo apontado é a falta de planejamento e de controle financeiro, que estão associados diretamente. Acontece que muitos dos novos negócios nascem apenas de ideias e sem um plano de negócios, que auxilia na tomada de decisão e consciência dos riscos que podem levar a empresa ao fracasso.

Para iniciar uma empresa é preciso conhecer o mercado em esta irá atuar, qual o público alvo, o ponto de venda ou escritório, entre vários fatores. O SEBRAE disponibiliza no seu site um documento em PDF para auxiliar na confecção e análise para abertura do negócio. É possível fazer cursos e obter consultoria que visam dar suporte para quem está um pouco perdido para abrir seu próprio negócio. Quando mais conhecimento e suporte, mais chances de obter resultado positivo. Por se tratar de uma base para o início da empresa, não quer dizer que o plano de negócios é uma ferramenta estática porque é possível adaptá-lo e mudar conforme necessidade.

O planejamento de gestão envolve o cotidiano da empresa, onde é preciso avaliar as necessidades e demanda, balanceando com os recursos disponíveis. Ele traz maior segurança para a tomada de decisão, onde se avalia o que é necessário investir. Basicamente, ele pode ser definido em três fases: definição dos objetivos da empresa (curto, médio e longo prazo), os caminhos e ações que serão necessários para atingir e a execução, que se trata do levantamento dos recursos e aplicação.

Ser empreendedor, como diz uma frase bem conhecida, é "matar um leão por dia". Não é fácil tomar decisões e correr riscos, contudo estabelecer metas e objetivos facilita a condução do negócio, sem contar que traçar ações e colocar datas para entregas ajuda na concretização do sucesso de forma mais lúdica. Sem contar que com o planejamento e com o plano de negócios se torna muito mais fácil de conseguir linhas de financiamentos com bancos e investidores porque demonstra credibilidade.

Para facilitar, aqui estão alguns pontos importantes ou ferramentas para se pensar quanto planejamento:

1. Análise SWOT: É uma ferramenta de análise bem simples, mas que gera um grande impacto no planejamento.

2. Definição de Missão, Visão e Valores: O que você quer, o que a sua empresa faz de melhor e o que ela oferece aos seus clientes e comunidade. Deixe o preconceito de lado e esqueça aqueles textos corporativos que não faz sentido para ninguém. São apenas alguns minutos para escrever e pontuar estes três fatores, desde que eles façam sentido com os objetivos e estratégias de mercado que você planeja para o seu empreendimento.

3. Planejamento de Curto, Médio e Longo Prazo: Eles são importantes para definir quais os caminhos que você quer trilhar. Nada impede que você sonhe alto, desde que esteja disposto a levantar as mangas e suar e pensar em estratégias para alcançar o que deseja. É importante saber também que curto prazo são ações para os próximos 12 meses, médio prazo até cinco anos e longo prazo 10 anos. Se você acha que não precisa pensar no médio prazo porque o tempo médio de falência das empresas no Brasil é de três anos, você precisa repensar se realmente está disposto a empreender.

O planejamento da gestão do empreendimento visa facilitar as decisões, evitar retrabalhos para que esse tempo seja aplicado em criatividade e inovação, sempre visando superar a concorrência. Mesmo que muitas vezes, no início, isso signifique faturar apenas para pagar o investimento inicial e correr riscos calculados. É preciso ir além do conhecimento apenas da atividade fim, para que não sejam tomadas decisões apenas no impulso.

Compartilhe o que achou desse artigo e quais suas principais dificuldades na hora de planejar, vou adorar conversar contigo!

carolinefmbona@gmail.com